Avançar para o conteúdo principal

Vai um pouco de açucar? Não, obrigada!

Lembro-me muitas vezes da minha mãe dizer que, quando ela era pequena, açúcar só se usava uma vez por ano, que era no Natal para fazer as filhoses, e era do "escuro", pois o branco era escasso. E iogurtes? Não se lembra de comer em criança, mas mais tarde quando surgiram os primeiros iogurtes, que eram naturais!, nesse dia era uma festa!

Na verdade, não passaram mais de 60 anos desde que o consumo de açúcar refinado subiu em flecha. Enquanto os nossos genes se desenvolveram num meio em que uma pessoa consumia, no máximo, 2 kg de mel por ano, o consumo de açúcar aumentou para 70 kg por ano em finais do século XX.

O biólogo alemão Otto Heinrich Warburg recebeu o Prémio Nobel da Medicina pela sua descoberta de que o metabolismo dos tumores malignos estava, em grande medida, dependente do consumo de glucose (é a forma de açúcar depois de digerido pelo organismo). Isto deve-se à resposta da insulina, libertada após a subida dos açúcares no sangue, depois de ingerirmos açúcar ou farinhas refinadas, e também de outra hormona chamada IGF que, as duas em conjunto, além de estimular o crescimento das células, promovem um aumento dos factores inflamatórios, que funcionam como "fertilizantes" para as células tumorais.

Será possível voltarmos à alimentação de outrora?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

o corpo, a autoestima e a ferida invisível

o corpo é muitas vezes um senhor ceguinho, não vê as formas, não vê as cores, não vê as ruas... mas precisa de obedecer às indicações dos senhores que têm olhos que as vêem, para poder seguir caminhando. mas o corpo é sábio, o corpo é verdadeiro, o corpo sente, o corpo fala baixinho, o corpo chora às escondidas.

o corpo fala baixinho! tão baixinho que não lhe prestamos atenção. ele é uma marioneta da nossa mente, das nossas emoções, da nossa consciência. uma marioneta viva, com um coração de carne, o que muda tudo. faz-me lembrar aquela afirmação de Saramago: "se tens um coração de ferro bom proveito. O meu fizeram-no de carne, e sangra todo o dia".

acho que o corpo sofre demasiadas vezes com a falta de estima por parte de quem o habita. o corpo anda apertado, o corpo anda carregado, o corpo anda desnutrido, o corpo anda intoxicado... o corpo anda cansado!

o corpo tem feridas que se autocuram, ele tem esse poder, mas o corpo também tem feridas invisíveis - das que já vieram…

Os 4 acordos Toltecas

A sabedoria dos nossos antepassados ensina-nos tanto...

Os ancestrais ensinamentos dos Toltecas ou “o povo da sabedoria” – os cientistas, artistas e xamãs nativos do México, que há dez mil anos procuraram a liberdade pessoal e espiritual.