Avançar para o conteúdo principal

Vai um pouco de açucar? Não, obrigada!

Lembro-me muitas vezes da minha mãe dizer que, quando ela era pequena, açúcar só se usava uma vez por ano, que era no Natal para fazer as filhoses, e era do "escuro", pois o branco era escasso. E iogurtes? Não se lembra de comer em criança, mas mais tarde quando surgiram os primeiros iogurtes, que eram naturais!, nesse dia era uma festa!

Na verdade, não passaram mais de 60 anos desde que o consumo de açúcar refinado subiu em flecha. Enquanto os nossos genes se desenvolveram num meio em que uma pessoa consumia, no máximo, 2 kg de mel por ano, o consumo de açúcar aumentou para 70 kg por ano em finais do século XX.

O biólogo alemão Otto Heinrich Warburg recebeu o Prémio Nobel da Medicina pela sua descoberta de que o metabolismo dos tumores malignos estava, em grande medida, dependente do consumo de glucose (é a forma de açúcar depois de digerido pelo organismo). Isto deve-se à resposta da insulina, libertada após a subida dos açúcares no sangue, depois de ingerirmos açúcar ou farinhas refinadas, e também de outra hormona chamada IGF que, as duas em conjunto, além de estimular o crescimento das células, promovem um aumento dos factores inflamatórios, que funcionam como "fertilizantes" para as células tumorais.

Será possível voltarmos à alimentação de outrora?

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

Compulsão alimentar diz-lhe alguma coisa?

Se não está satisfeito com o seu Peso e/ou o seu Comportamento Alimentar, este artigo interessa-lhe!
Leia a minha reflexão sobre esta temática, que vai muito além do pecado capital da vida moderna - a Gula. Pode de facto ser uma problema com consequências muito negativas para a sua saúde.
Disponível já nas bancas na revista Saber Comer Com Saúde da ZEN energy!

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…