Avançar para o conteúdo principal

A ALIMENTAÇÃO E O OUTONO

Com a chegada do Outono surgem muitas vezes estados de desânimo, além de que as mudanças atmosféricas também podem causar dores ósseas e musculares. O voltar às rotinas que é muitas vezes considerado aborrecido, tem contudo a vantagem de ajudar a introduzir algum equilíbrio no dia-a-dia.

É fundamental adotar simples hábitos alimentares que podem fazer desta entrada na estação uma experiência agradável, saudável e de mudança. A alimentação do Outono deve promover a vitalidade, o bom humor e combater o stress com o fortalecimento do sistema imunitário.

Outono é a estação dos hortícolas de folha verde-escuro: acelga, agrião, aipo, brócolos, couve-de-bruxelas, couve lombarda, couve portuguesa, repolho, grelos, nabiças, espinafres e outros legumes, como beterraba, nabo, abóbora, courgette, chuchu, beringela e cebola.

O Outono é, segundo a medicina natural, a época que energeticamente a natureza e consequentemente o ser humano está numa “fase contrativa”. A energia diminui. As árvores interiorizam-se, as folhas caem, a natureza está no seu grau máximo de contração. Esta época traz consigo alimentos próprios, como os hortícolas referidos acima e os frutos, como o dióspiro, as uvas, a romã, a tangerina e ainda a noz. Todos estes alimentos são imunoestimulantes, satisfazendo as necessidades específicas deste período.

 Graças aos conhecimentos da medicina natural e à sabedoria milenar das medicinas orientais, podemos perceber como se move a energia ao longo das 5 estações do ano e nessa base adaptar a nossa alimentação e os nossos hábitos de vida a esse movimento. As emoções e o estado mental também estão associados a um ou outro órgão e ao estado de saúde do mesmo. Assim, os órgãos associados ao Outono são o pulmão e o intestino grosso. As emoções associadas a estes órgãos são o desapego e entusiasmo (emoções positivas) ou a melancolia, os apegos e os vícios (emoções negativas).

Do ponto de vista nutricional, vários estudos sugerem que um desequilíbrio na relação entre ácidos gordos Ómega 3 e Ómega 6 podem contribuir para estados de tristeza, falta de energia, ansiedade e insónias, típicas desta época do ano. O cérebro é um órgão altamente especializado que beneficia de nutrição específica.
Na clínica e'sensia, a consulta de Nutrição e Medicina Natural, integra um diagnóstico completo a partir do qual resultará um plano dietético para os objetivos traçados de peso e bem-estar físico, mental e emocional.
Este plano integra os “nutrientes chave”, os alimentos mais importantes, segundo o seu sabor (picante-salgado-ácido-amargo-doce), o tipo de confeção e muitos outros aspetos que promovem uma saúde ótima.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…

e quando te parece que o caminho é demasiado longo?

o que sentes, quando te parece que o caminho é demasiado longo? ou complexo?
deparo-me com esta realidade diariamente, através de conversas com amigos, colegas, pacientes... na minha vida... não sei se é uma percepção minha exacerbada ou se habita na mente dos outros de forma semelhante.
confesso que apenas sei falar do que sinto, por isso nada do que escrevo é ditado. 
talvez andemos a pensar demais e a sentir de menos, a planear demais e a realizar de menos; a ouvir demais os outros e a escutar de menos a nós próprios. 
a questão é que o caminho vai parecer sempre longo, porque nunca se vê o fim, porque não há fim. o fim não existe. estamos sempre no meio. e estar no meio por vezes inquieta-nos. não queremos estar no meio, queremos estar lá na frente, a controlar o caminho. queremos já estar lá. mas isso é contra as leis da natureza. e nós somos regidos, antes de qualquer outra coisa, por estas mesmas leis. e ela (a natureza) ajuda-nos, se respeitarmos os seus ciclos. mas não podem…