Avançar para o conteúdo principal

MEDICINA NATURAL

No conceito filosófico da medicina natural, o médico não cura ninguém, apenas é um assessor da saúde. O principal mérito do médico é tornar consciente o indivíduo da sua saúde ou do seu estado de doença, de como pode modificar o curso da sua patologia e de informar as armas terapêuticas disponíveis.

A saúde é definida pela Organização Mundial da Saúde como um estado de completo bem-estar físico, mental e social, e não apenas a ausência de doença.

O especialista de medicina natural não tenta tratar ou eliminar os sintomas, antes dedica-se a estudar as verdadeiras causas que conduzem ao desequilíbrio a que se chama (na medicina natural) doença. Pois como afirma o velho ditado chinês “matar o ladrão não fecha a porta”. 

A medicina natural recomenda uma vida sã e equilibrada, considerando ser a única forma de se conseguir a verdadeira Saúde. Estas recomendações servem tanto ao doente que quer recuperar-se da doença como ao são para optimizar a sua saúde.

A saúde é o resultado do funcionamento correcto do nosso organismo em harmonia com as Leis da Natureza e os seus 4 elementos – a terra, a água, o ar e o sol. Um equilíbrio, além de orgânico, energético, psico-emocional, ambiental e social, que permite alcançar o potencial de saúde inerente a todo o ser humano.

A integração de todos estes componentes activa a capacidade curativa da natureza 
- VIS MEDICATRIX NATURAE.

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

Queres MUDAR? Tens MESMO a certeza?

Consumir informação (e desinformação) é muito fácil nos dias de hoje. Opinar sobre tudo e mais alguma coisa nunca foi tão simples. Está tudo muito acessível e global. Lembro-me que há uns largos anos atrás, quando estava na faculdade e estudava sobre o fenómeno da globalização e o impacto na alimentação das pessoas do mundo inteiro, estava a perceber-se que a comida típica de cada povo, os alimentos nativos de cada cultura e de cada terra, estavam a desaparecer e a ser substituídos cada vez mais por comestíveis (conceito muito diferente de alimentos) no século XXI. E o que se tornava moda nos EUA, no dia a seguir (agora é no segundo a seguir), passava a ser moda em qualquer país do mundo.
Nada contra, desde que não se deixe de honrar e dar uso à sabedoria que nos trouxe até aos dias de hoje, nem se deixe de usar a parte do cérebro responsável por relacionar tudo o que nos vem parar ao prato, desde a sua origem, até ao resultado final do seu consumo, ao impacto que tem no corpo e na m…

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…