terça-feira, 21 de fevereiro de 2012

Paleo Diet

Vale a pena reflectir na evolução do nosso estilo de vida. 
Afinal a nossa genética não é assim tão diferente da dos homens das cavernas!!!

O corpo intoxicado

O consumo exagerado de gordura, sódio e álcool e a exposição excessiva ao sol e ao cigarro, entre outros hábitos nocivos da modernidade, podem comprometer o funcionamento de uma das mais nobres estruturas celulares, as mitocôndrias (pequenas "bolsinhas" de energia existentes no interior das células). 
Quando agredidas, elas deflagram a produção excessiva de radicais livres, átomos ou moléculas altamente reactivos que podem desequilibrar a bioquímica celular.

Bryan Christie Designer

fonte: www.veja.abril.com.br

sexta-feira, 10 de fevereiro de 2012

Fome Espiritual e Saciedade

"Hunger for things is the supreme disease."
The Buddha

A falta de atenção no que comemos, como comemos e porque comemos faz com que sintamos sempre a falta de algo mais, algo que nos faça sentir melhor.
O consumismo reflecte o nosso sentido de vazio, ânsia, desejo, privação.
Quanto mais acreditamos que a felicidade é resultado da satisfação do desejo, mais reforçamos a nossa dependência do "algo mais", aumentando ainda mais o desejo.


terça-feira, 7 de fevereiro de 2012

quinta-feira, 2 de fevereiro de 2012

Porque envelhecemos?

Envelhecemos porque nos oxidamos!
A oxidação é um processo natural que ocorre no nosso organismo ao longo do tempo. Então as células, órgãos e outras partes do corpo podem tornar-se mais sensíveis pela oxidação, aumentando o risco de várias doenças, como as cardiovasculares e o cancro.

Durante o metabolismo do que comemos para produzir energia, o nosso organismo produz radicais livres por acção do oxigénio. O radicais livres são moléculas, às quais lhe faltam um electrão e, por isso, buscam desesperadamente roubar uma outra molécula, atacando desta forma as membranas celulares e principalmente o ADN. Quanto maior a produção de radicais livres, maior a oxidação celular e, por isso, maior degradação celular, de tecidos e órgãos, e consequentemente mais rapidamente envelhecemos.

Cabe a cada um de nós escolher entre aumentar a consciência para um estilo de vida e alimentação saudável ou limitar-nos a ser agentes passivos adoptando os hábitos da civilização moderna.

Para onde está a caminhar?

Pequeno-almoço VIVO: Creme de Budwig

Eis o Creme de Budwig - o pequeno almoço do Método de Kousmine, desenvolvido pela Dra. Catherine Kousmine (1904-1992), uma médica e grande mulher que impulsionou o mundo da medicina, evidenciando o papel da alimentação no tratamento (e cura) de doenças crónicas graves (como o cancro), felizmente cada vez mais reconhecido nos dias de hoje. 

Sem grandes recursos para conduzir as suas experiências sistemáticas, o seu método baseou-se na experiência prática de 50 anos de exercício profissional.

A ineficácia dos tratamentos convencionais usados nas doenças emergentes no mundo moderno do pós-guerra – patologias crónicas degenerativas, psíquicas e auto-imunes – mostraram a C. Kousmine que era preciso fazer despertar as capacidades de auto-cura do organismo. E que este só seria capaz de o fazer em condições de excelência.  

Como preparar?
4 colheres de um lácteo vegetal (arroz, aveia, amêndoa...) ou um "bom lácteo animal" (kéfir, requeijão, iogurte grego natural...)
2 colheres de chá de um óleo de 1ª pressão a frio (azeite ou óleo de linhaça, noz ou de sementes de abóbora)
sumo de 1/2 limão
1 colher de chá de mel biológico ou 1/2 banana madura
2 colheres de chá de cereais integrais crus e recém moídos (aveia, millet ou trigo sarraceno)
1 colher de chá de frutos secos ou sementes oleaginosas recém moídos
fruta da época aos pedaços
Num copo misturador ou numa taça, bater a fonte proteica (lácteo) com o óleo e o sumo de limão. Depois, juntar a banana ou o mel e o cereal. Misturar bem tudo. Por fim adiciona-se a fruta fresca que pode deixar-se em pedaços ou bater até incorporar tudo em creme.

Bom apetite!