Avançar para o conteúdo principal

Pequeno-almoço VIVO: Creme de Budwig

Eis o Creme de Budwig - o pequeno almoço do Método de Kousmine, desenvolvido pela Dra. Catherine Kousmine (1904-1992), uma médica e grande mulher que impulsionou o mundo da medicina, evidenciando o papel da alimentação no tratamento (e cura) de doenças crónicas graves (como o cancro), felizmente cada vez mais reconhecido nos dias de hoje. 

Sem grandes recursos para conduzir as suas experiências sistemáticas, o seu método baseou-se na experiência prática de 50 anos de exercício profissional.

A ineficácia dos tratamentos convencionais usados nas doenças emergentes no mundo moderno do pós-guerra – patologias crónicas degenerativas, psíquicas e auto-imunes – mostraram a C. Kousmine que era preciso fazer despertar as capacidades de auto-cura do organismo. E que este só seria capaz de o fazer em condições de excelência.  

Como preparar?
4 colheres de um lácteo vegetal (arroz, aveia, amêndoa...) ou um "bom lácteo animal" (kéfir, requeijão, iogurte grego natural...)
2 colheres de chá de um óleo de 1ª pressão a frio (azeite ou óleo de linhaça, noz ou de sementes de abóbora)
sumo de 1/2 limão
1 colher de chá de mel biológico ou 1/2 banana madura
2 colheres de chá de cereais integrais crus e recém moídos (aveia, millet ou trigo sarraceno)
1 colher de chá de frutos secos ou sementes oleaginosas recém moídos
fruta da época aos pedaços
Num copo misturador ou numa taça, bater a fonte proteica (lácteo) com o óleo e o sumo de limão. Depois, juntar a banana ou o mel e o cereal. Misturar bem tudo. Por fim adiciona-se a fruta fresca que pode deixar-se em pedaços ou bater até incorporar tudo em creme.

Bom apetite!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…

e quando te parece que o caminho é demasiado longo?

o que sentes, quando te parece que o caminho é demasiado longo? ou complexo?
deparo-me com esta realidade diariamente, através de conversas com amigos, colegas, pacientes... na minha vida... não sei se é uma percepção minha exacerbada ou se habita na mente dos outros de forma semelhante.
confesso que apenas sei falar do que sinto, por isso nada do que escrevo é ditado. 
talvez andemos a pensar demais e a sentir de menos, a planear demais e a realizar de menos; a ouvir demais os outros e a escutar de menos a nós próprios. 
a questão é que o caminho vai parecer sempre longo, porque nunca se vê o fim, porque não há fim. o fim não existe. estamos sempre no meio. e estar no meio por vezes inquieta-nos. não queremos estar no meio, queremos estar lá na frente, a controlar o caminho. queremos já estar lá. mas isso é contra as leis da natureza. e nós somos regidos, antes de qualquer outra coisa, por estas mesmas leis. e ela (a natureza) ajuda-nos, se respeitarmos os seus ciclos. mas não podem…