Avançar para o conteúdo principal

Pequeno-almoço VIVO: Creme de Budwig

Eis o Creme de Budwig - o pequeno almoço do Método de Kousmine, desenvolvido pela Dra. Catherine Kousmine (1904-1992), uma médica e grande mulher que impulsionou o mundo da medicina, evidenciando o papel da alimentação no tratamento (e cura) de doenças crónicas graves (como o cancro), felizmente cada vez mais reconhecido nos dias de hoje. 

Sem grandes recursos para conduzir as suas experiências sistemáticas, o seu método baseou-se na experiência prática de 50 anos de exercício profissional.

A ineficácia dos tratamentos convencionais usados nas doenças emergentes no mundo moderno do pós-guerra – patologias crónicas degenerativas, psíquicas e auto-imunes – mostraram a C. Kousmine que era preciso fazer despertar as capacidades de auto-cura do organismo. E que este só seria capaz de o fazer em condições de excelência.  

Como preparar?
4 colheres de um lácteo vegetal (arroz, aveia, amêndoa...) ou um "bom lácteo animal" (kéfir, requeijão, iogurte grego natural...)
2 colheres de chá de um óleo de 1ª pressão a frio (azeite ou óleo de linhaça, noz ou de sementes de abóbora)
sumo de 1/2 limão
1 colher de chá de mel biológico ou 1/2 banana madura
2 colheres de chá de cereais integrais crus e recém moídos (aveia, millet ou trigo sarraceno)
1 colher de chá de frutos secos ou sementes oleaginosas recém moídos
fruta da época aos pedaços
Num copo misturador ou numa taça, bater a fonte proteica (lácteo) com o óleo e o sumo de limão. Depois, juntar a banana ou o mel e o cereal. Misturar bem tudo. Por fim adiciona-se a fruta fresca que pode deixar-se em pedaços ou bater até incorporar tudo em creme.

Bom apetite!

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

o corpo, a autoestima e a ferida invisível

o corpo é muitas vezes um senhor ceguinho, não vê as formas, não vê as cores, não vê as ruas... mas precisa de obedecer às indicações dos senhores que têm olhos que as vêem, para poder seguir caminhando. mas o corpo é sábio, o corpo é verdadeiro, o corpo sente, o corpo fala baixinho, o corpo chora às escondidas.

o corpo fala baixinho! tão baixinho que não lhe prestamos atenção. ele é uma marioneta da nossa mente, das nossas emoções, da nossa consciência. uma marioneta viva, com um coração de carne, o que muda tudo. faz-me lembrar aquela afirmação de Saramago: "se tens um coração de ferro bom proveito. O meu fizeram-no de carne, e sangra todo o dia".

acho que o corpo sofre demasiadas vezes com a falta de estima por parte de quem o habita. o corpo anda apertado, o corpo anda carregado, o corpo anda desnutrido, o corpo anda intoxicado... o corpo anda cansado!

o corpo tem feridas que se autocuram, ele tem esse poder, mas o corpo também tem feridas invisíveis - das que já vieram…

Os 4 acordos Toltecas

A sabedoria dos nossos antepassados ensina-nos tanto...

Os ancestrais ensinamentos dos Toltecas ou “o povo da sabedoria” – os cientistas, artistas e xamãs nativos do México, que há dez mil anos procuraram a liberdade pessoal e espiritual.