Avançar para o conteúdo principal

Mensagens

Pickles de beterraba e couve roxa

Ainda a propósito último post de (24 junho) sobre "A Alimentação no Verão" reforço os benefícios dos hortofrutícolas de cores amarelo-laranja-vermelho-arroxeadas pelas propriedades antioxidantes, essenciais à proteção de todos os tecidos (nervoso, endócrino, imunológico...) e da pele, contra o stress oxidativo, a poluição, os metabolitos dos fármacos, o excesso de sol... Além de que, do ponto de vista energético, das medicinas milenares do Oriente, os frutos e hortícolas de cor avermelhadas são fundamentais para os órgãos associados ao elemento do Verão - o fogo 🔥 - representados pelo coração 💓 e no final de contas, o próprio sangue, responsável pelas emoções da Alegria, Vitalidade e Intuição. 

Esta perspectiva, se integrada às ciências da nutrição, vai potencializar as funções terapêuticas dos alimentos. Não é por acaso que a nutrição funcional tem vindo a demonstrar o papel da beterraba, por exemplo, na qualidade do sangue e na sua capacidade de levar mais oxigénio às cél…

A alimentação no Verão

Nos meses mais quentes do ano, o corpo precisa de uma alimentação mais refrescante e depurativa que em qualquer outra altura! Isto não significa alimentos frios no sentido literal, mas de natureza + fresca e leve em termos energéticos. A medicina chinesa chama-lhes alimentos de polaridade yin, em oposição aos mais quentes e densos, de polaridade yang.
Naturalmente o nosso corpo pede-nos uma combinação de alimentos que promovam uma boa circulação do sangue e da energia, bem como a eliminação das toxinas. Isto faz todo o sentido com o calor, e ainda mais para o órgão associado a esta estação – o coração ❤️ que por sua vez tem relação com o elemento fogo. 🔥
É preciso lembrar que a natureza é cíclica, por isso o que o corpo nos pede agora é ligeiramente diferente do que pedia há 2 meses atrás e substancialmente diferente de há 6! As transições de cada estação acontecem de forma subtil e gradual e as mudanças alimentares/estilo de vida precisam acompanhar este ritmo. Portanto, se na Primave…

Os 7 pecados capitais

Primeiro que tudo esclareço que os “pecados” a que me refiro não são pecados no sentido literal do termo, não há regras universais nem moralismos sobre a forma como nos alimentamos, são apenas ideias que escrevo aqui, como se fosse simplesmente o corpo que falasse:
1.  A Gula – comer e beber em demasia, de forma compulsiva muito para além das reais necessidades do organismo. Isto inclui querer “provar de tudo” nas festas, nos almoços de família; repetir vezes sem conta, só porque não estamos a dar o tempo e o espaço suficiente para nos sentirmos saciados.
2.  A Avareza – dar preferência aos alimentos mais processados e elaborados, alguns deles chamados de “gourmet” e desprezar os simples, os que vêm da terra, dos pequenos produtores, com um aspeto “mais feio”, mas com pouco ou nenhum processamento até chegar ao prato. 
3.  A Luxúria – valorizar e consumir mais produtos de origem animal em relação aos de origem vegetal, por exemplo, não procurar mais fontes de proteínas vegetais e não apr…

Consultas em período de quarentena

A consulta online, na minha abordagem sempre foi o último recurso, reservada essencialmente a portugueses que trabalham pelo mundo 🌐 Gosto da presença física, da energia, do toque. Mas isto é uma característica minha, é o meu lado mais cinestésico. E verdadeiramente a área da nutrição é mais física que mental. A parte mental / intelectual faz parte das ferramentas básicas de um bom profissional de saúde, mas fora isso o que interessa é a prática: a consciência do comportamento alimentar; a motivação para o ato de nutrir a nós próprios e aos outros; as sensações; o mindful eating; o prazer e a estimulação dos nossos 6 sentidos (os 5 físicos mais o da intuição); a criatividade, que não faz parte do lado racional do 🧠 e sim do lado da dança das emoções e dos afetos. Afinal o que é nutrir? Este é o momento em que a VIDA nos convida à NUTRIÇÃO. À nutrição física, emocional e espiritual do nosso corpo-mente, dos nossos amados, de quem partilha o nosso lar 🏡, sejam eles humanos, animais 😻 …

O corpo, a mente e a flexibilidade

A flexibilidade do corpo pode aumentar a flexibilidade da mente e ao contrário. Um corpo flexível é como um elástico, ele molda-se ao ambiente.


Quando é preciso, ele estica entre forças opostas e encolhe quando as mesmas se aproximam.
Se a mente quiser, o corpo alonga mais, torce mais, curva mais... E se o corpo quiser ou deixar, a mente também pode flexionar mais. A flexibilidade liga, a flexibilidade sustenta, a flexibilidade não parte, a flexibilidade aguenta. Mas a flexibilidade é um elástico e o este para se manter no sentido literal da palavra, precisa de outras fibras, menos elásticas e mais fortes. Imagina um elástico no seu máximo e/ou demasiadas vezes lá perto...
A flexibilidade do corpo dá por vezes aquela sensação de caminhar na ponte D. Luís I na noite de São João, no 24 de Junho, minutos antes de lançarem o fogo-de-artifício da Ribeira do Porto sobre o rio Douro...
ou daquela sensação quando se sobe a Torre Eiffel, à medida que nos afastamos da terra e nos aproximamos do céu. Sente-…

O peso do Corpo e o peso da Alma

O peso não se vê, o peso sente-se. O que vemos no outro é o que o seu peso o faz sentir. E o que ele sente é o dueto que o Corpo faz com a Alma. Quando a Alma tem espaço, irradia luz e o corpo fica leve, o corpo funciona, o corpo regenera. Quando a Alma é esquecida, escondida, encolhida, desnutrida… ela fica presa na carne e no sangue. Fica com a mesma sensação que o Corpo tem quando precisa de sacar a roupa no corpo. A Alma presa adoece o Corpo. E o Corpo preso adoece a Alma. O Corpo fica preso com o peso excessivo que carrega, emperrado com a ausência de movimento, amarrado com a rigidez mental, dolorido com a falta de cuidado… Quando o Corpo fica preso, a dor alerta-nos e mostra-nos que estamos presos. E ainda bem que a dor existe, pois se não fosse ela, não daríamos conta dos excessos que carregamos ou das carências que não estamos a suprir. O Corpo precisa de alimentos verdadeiros, o Corpo precisa de ar puro, o Corpo precisa de água fresca e da luz do sol – o Corpo precisa destes quatro e…

o corpo, a autoestima e a ferida invisível

o corpo é muitas vezes um senhor ceguinho, não vê as formas, não vê as cores, não vê as ruas... mas precisa de obedecer às indicações dos senhores que têm olhos que as vêem, para poder seguir caminhando. mas o corpo é sábio, o corpo é verdadeiro, o corpo sente, o corpo fala baixinho, o corpo chora às escondidas.

o corpo fala baixinho! tão baixinho que não lhe prestamos atenção. ele é uma marioneta da nossa mente, das nossas emoções, da nossa consciência. uma marioneta viva, com um coração de carne, o que muda tudo. faz-me lembrar aquela afirmação de Saramago: "se tens um coração de ferro bom proveito. O meu fizeram-no de carne, e sangra todo o dia".

acho que o corpo sofre demasiadas vezes com a falta de estima por parte de quem o habita. o corpo anda apertado, o corpo anda carregado, o corpo anda desnutrido, o corpo anda intoxicado... o corpo anda cansado!

o corpo tem feridas que se autocuram, ele tem esse poder, mas o corpo também tem feridas invisíveis - das que já vieram…