Avançar para o conteúdo principal
Já sentiste algo assim?
Quando sais de casa levas-te por inteiro ou há alguma parte de ti que deixas, por achares demasiado pesada para a tua estrutura, porque sentes que ainda não tens os músculos suficientemente desenvolvidos para aguentar tanta pressão?
O que eu vejo todos os dias... em mim, nos meus pacientes, nas pessoas que cruzam o meu caminho... não, eu não vejo, eu sinto... são como que construções: 
algumas com alicerces fortes e bem assentes, sempre em constante remodelação; 
outras com alicerces menos fortes, mas pensadas em estruturas mais leves; 
algumas com vigas de ferro, outras de madeira e outras de betão armado. 
A alguns foi dada uma caixa de ferramentas completa, a outros foi dado pouco mais que uma chave de fendas... 
mas nada disto importa! 
O que importa é que a nossa obra seja construída todos os dias... e descontruída sempre que necessário. Que nos proteja do frio, do vento e da chuva, mas nunca nos esconda do SOL, porque se a terra nos dá o colo e a nutrição, o sol dá-nos a força e a luz. 
Sem sol não conseguimos ver as nossas construções na totalidade, só vemos as daqueles que fizeram construções que permitem a entrada da luz através de todas as janelas, portas, varandas, jardins...
Se não deixas entrar o sol na tua casa todos os dias pela manhã, é bem provável que ao saires dela, deixaste ficar parte de ti. 
Onde está o teu sol? Não o procures muito, pois ele sente-se, ele é o que nos aquece o corpo, ele é o que nos aquece a alma.

Rascunhos da Lea

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

o corpo, a autoestima e a ferida invisível

o corpo é muitas vezes um senhor ceguinho, não vê as formas, não vê as cores, não vê as ruas... mas precisa de obedecer às indicações dos senhores que têm olhos que as vêem, para poder seguir caminhando. mas o corpo é sábio, o corpo é verdadeiro, o corpo sente, o corpo fala baixinho, o corpo chora às escondidas.

o corpo fala baixinho! tão baixinho que não lhe prestamos atenção. ele é uma marioneta da nossa mente, das nossas emoções, da nossa consciência. uma marioneta viva, com um coração de carne, o que muda tudo. faz-me lembrar aquela afirmação de Saramago: "se tens um coração de ferro bom proveito. O meu fizeram-no de carne, e sangra todo o dia".

acho que o corpo sofre demasiadas vezes com a falta de estima por parte de quem o habita. o corpo anda apertado, o corpo anda carregado, o corpo anda desnutrido, o corpo anda intoxicado... o corpo anda cansado!

o corpo tem feridas que se autocuram, ele tem esse poder, mas o corpo também tem feridas invisíveis - das que já vieram…

Os 4 acordos Toltecas

A sabedoria dos nossos antepassados ensina-nos tanto...

Os ancestrais ensinamentos dos Toltecas ou “o povo da sabedoria” – os cientistas, artistas e xamãs nativos do México, que há dez mil anos procuraram a liberdade pessoal e espiritual.