Avançar para o conteúdo principal

e quando te parece que o caminho é demasiado longo?

o que sentes, quando te parece que o caminho é demasiado longo? ou complexo?

deparo-me com esta realidade diariamente, através de conversas com amigos, colegas, pacientes... na minha vida... não sei se é uma percepção minha exacerbada ou se habita na mente dos outros de forma semelhante.

confesso que apenas sei falar do que sinto, por isso nada do que escrevo é ditado. 

talvez andemos a pensar demais e a sentir de menos, a planear demais e a realizar de menos;
a ouvir demais os outros e a escutar de menos a nós próprios. 

a questão é que o caminho vai parecer sempre longo, porque nunca se vê o fim, porque não há fim. o fim não existe. estamos sempre no meio. e estar no meio por vezes inquieta-nos. não queremos estar no meio, queremos estar lá na frente, a controlar o caminho. queremos já estar lá. mas isso é contra as leis da natureza. e nós somos regidos, antes de qualquer outra coisa, por estas mesmas leis. e ela (a natureza) ajuda-nos, se respeitarmos os seus ciclos. mas não podemos desistir, mesmo quando às vezes se tenha de sair da auto-estrada e percorrer um caminho de pedras e às escuras, que a velocidade tenha de ser reduzida de 120 para 5km/h ou mesmo para zero! às vezes os pés estão feridos e a solução é mesmo parar. às vezes temos sede e a solução é pedir água para poder avançar. lembro-me sempre dos peregrinos, quando passam em frente à casa dos meus pais a ir para o Santuário de Fátima, sentam-se naquele banco de pedra em frente ao poço, quando vêem alguém pedem água e lá voltam a ganhar forças para continuar.

é mesmo isso. ganhar forças para continuar. ao mesmo tempo, percorrer o caminho de pedras é o que nos permite desenvolver mais músculo. e quanto mais músculo temos, menos força precisamos fazer para avançar nos caminhos mais íngremes. mas o músculo só se mantém se continuarmos a usar a força. e assim por diante. 

nos processos terapêuticos, sejam do corpo, sejam da mente, acontece exatamente o mesmo. caminhos de pedra podem ser necessários e por vezes até constituem atalhos, que além de nos levar mais rápido, ainda nos proporcionam pequenas sestas ao sol em bancos de pedra e aquela sensação de matar a sede com água fresca nas tardes de calor.  

o que sentes quando te parece que o caminho é demasiado longo? o que fazes com o que sentes?

rascunhos da Lea

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…

Os 4 acordos Toltecas

A sabedoria dos nossos antepassados ensina-nos tanto...

Os ancestrais ensinamentos dos Toltecas ou “o povo da sabedoria” – os cientistas, artistas e xamãs nativos do México, que há dez mil anos procuraram a liberdade pessoal e espiritual.