Avançar para o conteúdo principal

Alimentação consciente

Deixo-vos aqui o extracto de um artigo que escrevi para a revista Zen energy Abril 2012




Alimentação consciente
Abordagem nutricional humana e comportamental
Num mundo ocidental de abundância de alimentos, muitas vezes não comemos apenas para ‘matar a fome’ mas, essencialmente, por um conjunto complexo de outras razões, muitas das quais traduzidas pela necessidade exagerada e, por vezes, obsessiva de obter um prazer ou uma compensação de forma imediata. Quando há uma dependência de alimentos como forma de tentar compensar insatisfações, nomeadamente do foro emocional, o resultado poderá ser uma ingestão alimentar desajustada, excessiva e descontrolada, com o consequente aumento de peso. 
O excesso de peso é, na actualidade, uma epidemia a nível mundial e um grave problema de saúde pública.

Maior equilíbrio interior
Na consulta de nutrição comportamental, uma disciplina exclusiva da clínica e’sensia, no Porto, são utilizadas algumas técnicas que envolvem imagens, sons, prática e ensino de técnicas de relaxamento e de gestão do stress aplicada ao comportamento alimentar.
Afinal, aquilo que comemos relaciona-se com a forma como nos sentimos e nos tratamos.

O plano de acção nutricional deve ir ao encontro das características individuais de cada pessoa, nas suas prioridades e motivações. A nossa experiência nesta abordagem tem sido frutuosa, com o alcance de um maior equilíbrio interior, comportamentos mais ajustados que conduzem ao controlo do peso e à melhoria do bem-estar e da qualidade de vida. Porque entendo que, como afirma Clarice Lispector «A atitude é uma pequena coisa que faz uma grande diferença.»

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

o corpo, a autoestima e a ferida invisível

o corpo é muitas vezes um senhor ceguinho, não vê as formas, não vê as cores, não vê as ruas... mas precisa de obedecer às indicações dos senhores que têm olhos que as vêem, para poder seguir caminhando. mas o corpo é sábio, o corpo é verdadeiro, o corpo sente, o corpo fala baixinho, o corpo chora às escondidas.

o corpo fala baixinho! tão baixinho que não lhe prestamos atenção. ele é uma marioneta da nossa mente, das nossas emoções, da nossa consciência. uma marioneta viva, com um coração de carne, o que muda tudo. faz-me lembrar aquela afirmação de Saramago: "se tens um coração de ferro bom proveito. O meu fizeram-no de carne, e sangra todo o dia".

acho que o corpo sofre demasiadas vezes com a falta de estima por parte de quem o habita. o corpo anda apertado, o corpo anda carregado, o corpo anda desnutrido, o corpo anda intoxicado... o corpo anda cansado!

o corpo tem feridas que se autocuram, ele tem esse poder, mas o corpo também tem feridas invisíveis - das que já vieram…

Os 4 acordos Toltecas

A sabedoria dos nossos antepassados ensina-nos tanto...

Os ancestrais ensinamentos dos Toltecas ou “o povo da sabedoria” – os cientistas, artistas e xamãs nativos do México, que há dez mil anos procuraram a liberdade pessoal e espiritual.