Avançar para o conteúdo principal

A todas as mulheres...


 

Chapéu violeta

Aos 3 anos:
ela olha pra si mesma e vê uma rainha.

Aos 8 anos:
ela olha pra si e vê Cinderela.

Aos 15 anos:
ela olha e vê uma freira horrorosa.

Aos 20 anos:
ela olha e se vê muito gorda, muito magra, muito alta, muito baixa, muito liso, muito encaracolado, decide sair mas... Vai sofrendo...

Aos 30 anos:
ela olha pra si mesma e se vê muito gorda/ muito magra, muito alta, muito baixa, muito liso, muito encaracolado, mas decide que agora não tem tempo pra consertar então vai sair assim mesmo...

Aos 40 anos:
ela olha pra si.... Vê muito gorda, muito magra, muito alta, muito baixa, muito liso, muito encaracolado, mas diz: pelo menos eu sou uma boa pessoa... E sai mesmo assim...

Aos 50 anos:
ela olha pra si mesma e se vê como é... sai e vai pra onde ela bem entender...

Aos 60 anos:
ela se olha e lembra de todas as pessoas que não podem mais se olhar no espelho... sai de casa e conquista o mundo...

Aos 70 anos:
ela olha pra si e vê sabedoria, risos, habilidades, sai para o mundo e aproveita a vida...

Aos 80 anos:
ela não se incomoda mais em se olhar... Põe simplesmente um chapéu violeta e vai se divertir com o mundo...

Talvez devêssemos pôr aquele chapéu violeta mais cedo!

Mário Quintana

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

o corpo, a autoestima e a ferida invisível

o corpo é muitas vezes um senhor ceguinho, não vê as formas, não vê as cores, não vê as ruas... mas precisa de obedecer às indicações dos senhores que têm olhos que as vêem, para poder seguir caminhando. mas o corpo é sábio, o corpo é verdadeiro, o corpo sente, o corpo fala baixinho, o corpo chora às escondidas.

o corpo fala baixinho! tão baixinho que não lhe prestamos atenção. ele é uma marioneta da nossa mente, das nossas emoções, da nossa consciência. uma marioneta viva, com um coração de carne, o que muda tudo. faz-me lembrar aquela afirmação de Saramago: "se tens um coração de ferro bom proveito. O meu fizeram-no de carne, e sangra todo o dia".

acho que o corpo sofre demasiadas vezes com a falta de estima por parte de quem o habita. o corpo anda apertado, o corpo anda carregado, o corpo anda desnutrido, o corpo anda intoxicado... o corpo anda cansado!

o corpo tem feridas que se autocuram, ele tem esse poder, mas o corpo também tem feridas invisíveis - das que já vieram…

Os 4 acordos Toltecas

A sabedoria dos nossos antepassados ensina-nos tanto...

Os ancestrais ensinamentos dos Toltecas ou “o povo da sabedoria” – os cientistas, artistas e xamãs nativos do México, que há dez mil anos procuraram a liberdade pessoal e espiritual.