Avançar para o conteúdo principal

"Living in the Moment"

“Todos concordam que é importante viver no momento, o problema é como”, afirma Ellen Langer, psicóloga em Harvard e autora do livro Mindfulness.


Segundo um artigo da Psychology Today, elaborado pelo jornalista canadense Jay Dixit, que se baseou nos escritos sobre mindfulness (atenção plena) do Budismo, Taoísmo, Yoga e muitas tradições nativas americanas, existem seis passos para viver o momento presente
O saber viver "o aqui e o agora" constitui nos dias de hoje um dos paradoxos mais peculiares da vida, pois "o seu futuro mais brilhante está na sua habilidade de prestar atenção no presente".

Eis os seis passos, de forma muito resumida:
1. Para melhorar seu desempenho, pare de pensar sobre ele (não-consciência-de-si-mesmo).

O estudo mostra como exemplo de como ficamos nervosos ao entrar numa pista de dança, preocupados demais com como estamos a dançar e prestando atenção de menos na própria música.
Para conseguir dançar com a música, você é obrigado a entregar a sua atenção para o ritmo dela. Ao fazer isso, o seu foco muda automaticamente de você próprio e do seu desempenho para a música.

2. Parar de ficar a preocupar-se com o futuro, foque-se no presente (degustação).

“Frequentemente nós ficamos tão emaranhados em pensamentos do futuro e do passado que esquecemos de experimentar, e ainda menos de desfrutar, o que está a acontecer agora. Nós tomamos um gole de café e pensamos ‘Não está tão bom como o que tomei a semana passada’. Comemos um biscoito e pensamos ‘Espero que o biscoito não acabe’.

3. Se você quer ter um futuro no seu relacionamento, habite o presente (respire).

Whitney Heppner e Michael Kernis, da Universidade de Georgia(EUA), dizem que “a atenção neutraliza os impulsos agressivos nas pessoas”, informa o estudo. Reduz o envolvimento do ego, aumenta o auto-controlo e “faz você perceber o que os budistas chamam de ‘reconhecer a faísca antes da chama’”.

4. Para aproveitar ao máximo o tempo, perca a noção dele (fluxo).

Este é um tema meio esotérico, mas que os psicólogos estão a tentar explorar cada vez mais: o que chamam de fluxo (flow). “O fluxo acontece quando você está tão compenetrado numa tarefa que perde noção de tudo o que está em volta de você”, diz o estudo. “O fluxo incorpora um aparente paradoxo: como você poderia estar a viver no momento se você não está nem consciente dele?”

5. Se algo está a incomodá-lo, mova-se em direção a ele e não para longe dele (aceitação).

"Estar aberto para o modo como as coisas são em cada momento sem tentar manipular ou mudar a experiência – sem julgar, se apegar ou evitar”.

6. Saiba que você não sabe (engajamento).

Ellen Langer, a psicóloga entrevistada no estudo, diz que “a melhor maneira de evitar blackouts é desenvolver o hábito de estar sempre atento às coisas novas em qualquer situação que você esteja”.
E completa: “Nós tornamo-nos indiferentes porque logo que achamos que sabemos algo, paramos de prestar atenção a isso”.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

Compulsão alimentar diz-lhe alguma coisa?

Se não está satisfeito com o seu Peso e/ou o seu Comportamento Alimentar, este artigo interessa-lhe!
Leia a minha reflexão sobre esta temática, que vai muito além do pecado capital da vida moderna - a Gula. Pode de facto ser uma problema com consequências muito negativas para a sua saúde.
Disponível já nas bancas na revista Saber Comer Com Saúde da ZEN energy!

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…