Avançar para o conteúdo principal

Carta de uma mãe para a sua filha

"Minha querida menina, no dia em que perceberes que estou a envelhecer, peço-te para seres paciente, mas acima de tudo, tentares entender pelo que estarei a passar.

Se quando conversarmos, eu repetir a mesma coisa dezenas de vezes, não me interrompas dizendo: "Disseste a mesma coisa há um minuto atrás!". Apenas ouve, por favor. Tenta-te lembrar das vezes quando você era uma criança e eu li a mesma história noite após noite até adormeceres.

Quando eu não quiser tomar banho, não te zangues e não me envergonhes. Lembra-te de quando eras criança e eu tinha que correr atrás de ti dando desculpas e tentando colocar-te no banho?

Quando perceberes que tenho dificuldades com as novas tecnologias, dá-me tempo para aprender e não me olhes daquela maneira... Lembra-te, querida, de como eu - pacientemente - te ensinei muitas coisas, como: comer direito, vestires-te, arranjar o teu cabelo e lidar com os problemas da vida todos os dias... O dia em que te aperceberes que estou a envelhecer, peço-
te para seres paciente, mas acima de tudo, tentares entender pelo que estarei passando.

Se eu ocasionalmente me perder numa conversa, dá-me tempo para me lembrar e se eu não conseguir, não fiques nervosa, impaciente ou arrogante. Apenas lembra-te que o mais importante para mim é estar contigo!

E quando eu envelhecer e minhas pernas não me permitirem andar tão rápido quando antes, dá-me a tua mão da mesma maneira que eu te ofereci a minha nos teus primeiros passos.

Quando este dia chegar, não te sintas triste. Apenas fica comigo e entende-me, enquanto termino a minha vida com amor. Eu vou adorar e agradecer pelo tempo e alegria que compartilhamos. Com um sorriso e o imenso amor que sempre tive por ti, eu apenas vou querer dizer: Amo-te, minha querida filha."
Autor desconhecido


Tudo muda quando nos colocamos do outro lado...

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

o corpo, a autoestima e a ferida invisível

o corpo é muitas vezes um senhor ceguinho, não vê as formas, não vê as cores, não vê as ruas... mas precisa de obedecer às indicações dos senhores que têm olhos que as vêem, para poder seguir caminhando. mas o corpo é sábio, o corpo é verdadeiro, o corpo sente, o corpo fala baixinho, o corpo chora às escondidas.

o corpo fala baixinho! tão baixinho que não lhe prestamos atenção. ele é uma marioneta da nossa mente, das nossas emoções, da nossa consciência. uma marioneta viva, com um coração de carne, o que muda tudo. faz-me lembrar aquela afirmação de Saramago: "se tens um coração de ferro bom proveito. O meu fizeram-no de carne, e sangra todo o dia".

acho que o corpo sofre demasiadas vezes com a falta de estima por parte de quem o habita. o corpo anda apertado, o corpo anda carregado, o corpo anda desnutrido, o corpo anda intoxicado... o corpo anda cansado!

o corpo tem feridas que se autocuram, ele tem esse poder, mas o corpo também tem feridas invisíveis - das que já vieram…

Os 4 acordos Toltecas

A sabedoria dos nossos antepassados ensina-nos tanto...

Os ancestrais ensinamentos dos Toltecas ou “o povo da sabedoria” – os cientistas, artistas e xamãs nativos do México, que há dez mil anos procuraram a liberdade pessoal e espiritual.