Avançar para o conteúdo principal

A vida moderna e a inflamação silenciosa...


Hoje em dia, estamos expostos a uma imensidão de agentes que agridem o nosso organismo, os nossos tecidos, as nossas células. Estes agentes vão desde o natural processo de stress oxidativo das células, que não é compensado com os antioxidantes, naturalmente presentes no organismo ou provenientes da alimentação, levando a lesões, sobretudo dos tecidos cerebral e cardiovascular; a ingestão ou inalação de químicos, como os fumos e metais pesados da poluição, do cigarro, dos alimentos; o álcool; a absorção pelo intestino de substâncias maléficas, sobretudo nas situações em que a flora intestinal está desequilibrada (tão frequente em estilos de vida apressados e pouco saudáveis). Estes são apenas alguns dos fatores químicos, físicos ou biológicos que desencadeiam agressões celulares e consequentemente a chamada inflamação silenciosa (ou sub-clínica).
Esta inflamação é agravada pela alimentação rica em produtos processados, refinados, carnes e lácteos, falta de descanso e ainda pela própria acumulação de gordura abdominal, que por si só produz uma série de fatores inflamatórios.

A boa notícia é que todo este processo pode ser atrasado ou até revertido em muitas situações!

Para uma ideia de como está o seu grau de inflamação, para além de uma análise clínica, que seria o desejável, pode refletir sobre o seu estado de fadiga, sobretudo mental, a sua memória e concentração, a acumulação de gordura abdominal, as dores musculares, de cabeça, o estado da sua pele ou cabelo, algum tipo de alergia ou irritação gastrointestinal, por exemplo, se a sua alimentação tem com frequência fritos, salgadinhos, bolachas, bolos, margarinas, carnes ou lácteos.

Já todos ouvimos falar na ação benéfica dos ácidos gordos ómegas 3 ao nível da saúde do sistema nervoso, cardiovascular, na prevenção do cancro, das doenças neuro-degenerativas e do envelhecimento precoce. E na ação anti-inflamatória? Este é um dos principais benefícios deste tipo de ácidos gordos, mas há que ter em atenção que a proporção ómega 6 : ómega 3 não menos importante. Os ómega 6, tal como os ómega 3, são ácidos gordos essenciais, pois o organismo não consegue os sintetizar, mas são pró-inflamatórios. De facto, um dos grandes problemas da alimentação moderna vem daí, do desequilíbrio desta proporção, que deveria ser de 2 (no máximo 4) de ómega 6 para 1 de ómega 3. Na Europa esta razão ultrapassa 16 para 1 (para não falar de que nos Estados Unidos a razão chega aos 30 para 1).

Com o recente alerta da comunidade científica para os benefícios do ómega 3, a produção de suplementos de ómega 3 disparou em flecha. Sabemos que as principais fontes alimentares de ómega 3 (ricos em EPA e DHA, os ácidos gordos que realmente são essenciais) são os peixes gordos (sardinha, cavala, atum, salmão, anchovas e arenque). Existem fontes vegetais, para quem tem uma alimentação vegetariana ou vegan, como a linhaça, um pouco nas nozes e uma quantidade mínima em algumas algas. Importa contudo sublinhar que esta fonte de ómega 3 vegetal provém do ácido gordo alfa-linolénico (ALA). Para este ALA ser convertido em EPA e depois em DHA requer diversas transformações bioquímicas, com recurso a diferentes nutrientes para o fazer. Sendo que para conseguir produzir 1g de EPA, precisamos de 20g de ALA. Isto é muito importante para os vegetarianos e por isso procuro sempre explicar este fenómeno nas minhas consultas para vegetarianos/veganos, pois estas transformações bioquímicas são ainda influenciadas pela ingestão de gorduras ómega 6, de outras gorduras na dieta e ainda pelo stress.

Então o que é preciso saber para escolher um bom suplemento de ómega 3?

Como disse anteriormente ter em atenção a quantidade de EPA e DHA, devendo a primeira ser superior à segunda (excepto para as grávidas).

O suplemento deve ter a garantia de pureza e isenção de compostos tóxicos (sem mercúrio, dioxinas e PCB’s naturalmente presentes nos peixes gordos). Deve conter uma boa quantidade de antioxidantes, como a vitamina E, o ácido cítrico, entre outros. Deve ser revestido com uma cápsula resistente ao ácido do estômago, para evitar o refluxo do óleo.
Finalmente, tem de ser certificado pelo IFOS International Fish Oil Standart.

                                                           

Em cima deixo as minhas sugestões de ómega 3 que cumprem todos os requisitos para uma qualidade máxima - uma fonte de ómega 3 original (rica em EPA e DHA) e uma fonte de ómega 3 vegetal (proveniente da alga Schizochytrium sp., única alga com EPA e DHA).


Para mais informações acerca da suplementação ou da dieta anti-inflamatória, sinta-se livre para enviar um email para: lea.canico@gmail.com

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

o corpo, a autoestima e a ferida invisível

o corpo é muitas vezes um senhor ceguinho, não vê as formas, não vê as cores, não vê as ruas... mas precisa de obedecer às indicações dos senhores que têm olhos que as vêem, para poder seguir caminhando. mas o corpo é sábio, o corpo é verdadeiro, o corpo sente, o corpo fala baixinho, o corpo chora às escondidas.

o corpo fala baixinho! tão baixinho que não lhe prestamos atenção. ele é uma marioneta da nossa mente, das nossas emoções, da nossa consciência. uma marioneta viva, com um coração de carne, o que muda tudo. faz-me lembrar aquela afirmação de Saramago: "se tens um coração de ferro bom proveito. O meu fizeram-no de carne, e sangra todo o dia".

acho que o corpo sofre demasiadas vezes com a falta de estima por parte de quem o habita. o corpo anda apertado, o corpo anda carregado, o corpo anda desnutrido, o corpo anda intoxicado... o corpo anda cansado!

o corpo tem feridas que se autocuram, ele tem esse poder, mas o corpo também tem feridas invisíveis - das que já vieram…

Os 4 acordos Toltecas

A sabedoria dos nossos antepassados ensina-nos tanto...

Os ancestrais ensinamentos dos Toltecas ou “o povo da sabedoria” – os cientistas, artistas e xamãs nativos do México, que há dez mil anos procuraram a liberdade pessoal e espiritual.