Avançar para o conteúdo principal

Pudim de millet com nozes e ameixas secas

Ingredientes
millet
agar-agar
sumo maçã (pode ser feito em casa)
geleia de arroz

Lavar e colocar a ferver 1 cháv. chá de millet com 5 de água e um pau de canela. Cozer 40 min em lume brando. Dissolver num copo o sumo de maçã com 1 c. sopa de agar-agar e 2 c. sopa de geleia de arroz (pode utilizar outro adoçante natural). Misturar com o creme de millet e manter ao lume mais uns minutos, mexendo bem. Se não ficar homogéneo e cremoso passar com a varinha. Deixar arrefecer numa taça de pyrex e desenformar. Decorar com um pouco de sumo de maçã ou geleia de arroz (depois de ir ao lume alguns segundos).
Sugestão: adicionar nozes e ameixas secas (frutos desta época - Outono)
Se não tiver millet, pode fazer com sêmola de milho, já experimentei e adorei. Fica com uma consistência mais parecida com o pudim de pão.

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

Compulsão alimentar diz-lhe alguma coisa?

Se não está satisfeito com o seu Peso e/ou o seu Comportamento Alimentar, este artigo interessa-lhe!
Leia a minha reflexão sobre esta temática, que vai muito além do pecado capital da vida moderna - a Gula. Pode de facto ser uma problema com consequências muito negativas para a sua saúde.
Disponível já nas bancas na revista Saber Comer Com Saúde da ZEN energy!

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…