Avançar para o conteúdo principal

O que te nutre verdadeiramente?

A vida

A vida é tanta coisa.

Às vezes é luz, às vezes é escuridão.
Às vezes é quente, outras é fria.
Há dias em que temos de caminhar descalços por pedras duras e pontiagudas. Outros há, que se pudéssemos rebolávamos no solo que pisamos. Pois há solos em que os pés não bastariam para sentir... Porque o solo cheira a terra, a ervas, a flores... porque é macio e tem a temperatura certa.
Às vezes as nuvens não nos deixam ver muito longe... podem até ficar tão densas, mas tão densas, que se convertem em chuva... ou tempestade. Isto pode durar minutos, horas, dias...

Sabes, aqueles dias em que choveu e depois o céu ficou todo azul, iluminado por um sol radiante? Nesses momentos conseguimos ver mais longe e de repente sem sairmos do sítio tudo nos parece muito mais nítido. Pois era o banho que a terra precisava... 

E nós somos como a terra. Precisamos de sol, mas também de água e de alimentos. Daqueles alimentos que nutrem o Corpo e sobretudo dos que nutrem a Alma. 

Passamos tanto tempo a pensar, a falar, a queixar-nos, a comparar-nos, a competirmos (com os outros, com o tempo, connosco)... Mas um momento a nuvem passa... e sem sairmos do sítio, algo brilha dentro de nós. É o sol. O alimento da alma. Sabes que tens um sol imenso dentro de ti? E que ele está sempre lá, mesmo quando não vês a sua luz, o seu calor... Só precisas de te lembrar disso todos os dias e também dares a água que o teu corpo precisa. Só assim pode ficar limpo e claro, tal como o céu fica depois da chuva. Lembra-te de cuidar sempre do teu jardim. Do teu corpo. Da tua alma.

reflexões da Léa

Comentários

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

o corpo, a autoestima e a ferida invisível

o corpo é muitas vezes um senhor ceguinho, não vê as formas, não vê as cores, não vê as ruas... mas precisa de obedecer às indicações dos senhores que têm olhos que as vêem, para poder seguir caminhando. mas o corpo é sábio, o corpo é verdadeiro, o corpo sente, o corpo fala baixinho, o corpo chora às escondidas.

o corpo fala baixinho! tão baixinho que não lhe prestamos atenção. ele é uma marioneta da nossa mente, das nossas emoções, da nossa consciência. uma marioneta viva, com um coração de carne, o que muda tudo. faz-me lembrar aquela afirmação de Saramago: "se tens um coração de ferro bom proveito. O meu fizeram-no de carne, e sangra todo o dia".

acho que o corpo sofre demasiadas vezes com a falta de estima por parte de quem o habita. o corpo anda apertado, o corpo anda carregado, o corpo anda desnutrido, o corpo anda intoxicado... o corpo anda cansado!

o corpo tem feridas que se autocuram, ele tem esse poder, mas o corpo também tem feridas invisíveis - das que já vieram…

Os 4 acordos Toltecas

A sabedoria dos nossos antepassados ensina-nos tanto...

Os ancestrais ensinamentos dos Toltecas ou “o povo da sabedoria” – os cientistas, artistas e xamãs nativos do México, que há dez mil anos procuraram a liberdade pessoal e espiritual.