Avançar para o conteúdo principal

"A religião deve ser como o sal na comida..."


Em tempos conturbados como os que se vivem hoje, começamos a questionar tudo o que antes não era questionado. Até certo ponto é saudável. O problema surge quando o questionamento é de tal ordem que se converte num fanatismo.

Sempre existiram assuntos como o álcool etílico, altamente inflamáveis... o futebol, a religião e a política, entre outros. Mas nunca a alimentação foi alvo de tamanha "inflamação". 

Entretanto, quanto mais lenha se vai atirando à fogueira, seja sob a forma de atitudes, comportamentos e reflexos na saúde, mais me lembro das palavras do bispo Dom António Alves Martins, homenageado através de um monumento em bronze, mesmo no centro de Viseu. Palavras essas gravadas na sua estátua afirmando que "A religião deve ser como o sal na comida, nem muito nem pouco, só o preciso." 

Comentários

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

Compulsão alimentar diz-lhe alguma coisa?

Se não está satisfeito com o seu Peso e/ou o seu Comportamento Alimentar, este artigo interessa-lhe!
Leia a minha reflexão sobre esta temática, que vai muito além do pecado capital da vida moderna - a Gula. Pode de facto ser uma problema com consequências muito negativas para a sua saúde.
Disponível já nas bancas na revista Saber Comer Com Saúde da ZEN energy!

A alma, o corpo e tu.

Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo... Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.
De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?
Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar? São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir…