Avançar para o conteúdo principal

A alma, o corpo e tu.

imagem retirada daqui: 
http://pinup-doodles.blogspot.pt
/2010/11/new-vivienne-westwood
-fragrance-naughty.html
Quando tu consegues tomar consciência que tu não és tu - não a um nível intelectual - porque esse está muito acessível e só não o desenvolve quem não quer ou não se interessa... mas a um nível mais profundo...
Tu deixas de querer ser tu, leia-se os outros: aqueles que têm o teu sangue, aqueles que te "educaram", aqueles que de uma forma ou de outra te marcaram e guiaram o teu caminho, as tuas escolhas, conscientes ou não, os teus hábitos, os teus vícios... e que te trouxeram ao que tu és agora.

De que vale a pena caminhares na rua com os sapatos mais lindos da loja, se te apertam o dedo mindinho ou se escorregas dentro deles, quando os paralelos da rua não são assim tão paralelos, têm altos e baixos, são irregulares e imprevisíveis. E tu, o teu corpo e a tua mente estão nesse jogo, no jogo do medo de não cair no buraco da estrada que te impede de desfrutar do caminho?

Os "sapatos" que tu calças permitem-te voar?
São tão leves que a tua Alma pode calçar, sem sentir o peso da gravidade?
Tão leves que te permitem sentir a terra, a calçada de pedra, o passadiço de madeira, a areia molhada, a água do mar...?

Os sapatos são uma metáfora que escolhi para refletirmos sobre os nossos "pés", o nosso corpo, a nossa alma. Sobre a nossa estrutura, a nossa pele, a nossa sensibilidade.
Olhamos para ela(s)? Tocamos-lhes? Conseguimos senti-las? O que elas nos dizem? Ou gritam?
Ou já só conseguem gemer?
Elas estão feridas? Doem? O que elas te pedem?
Que te adaptes ao calçado ou que compres uns sapatos novos?
Ou que andes de vez em quando sem sapato algum para poderes sentir o calor das rochas aquecidas pelo sol da tarde, a doçura da terra coberta de verde num dia de Primavera, as ondinhas do mar que te massajam as pernas...?

O nosso corpo é o templo da nossa alma, digo isto muitas vezes nas minhas consultas, porque acho que às vezes esquecemos ou não queremos lembrar. Como pode viver a nossa alma num corpo doente, dolorido, inflamado?
E como pode um corpo ter energia e capacidade para se auto-curar se a sua própria alma está encolhida, tolhida pelos espartilhos que colocamos na nossa vida?

E NÃO! a solução da dor, seja ela física ou psicológica, não está no antídoto farmacológico que alivia, mas não cura. A solução está no Amor.
E o amor é cuidado como diz a música de Caetano Veloso:
"quando a gente gosta é claro que a gente cuida..."
então
"onde está você agora?"

Estas são as reflexões de um coração às vezes dorido, mas sempre cheio amor para esse coração que me lê e me sente,
Lea

Comentários

  1. Tão lindo... Sem dúvida, o nosso corpo é o templo da nossa alma! Temos que o manter limpo e arejado para que a alma não atrofie e possa expandir-se, fazendo-nos levitar.
    Obrigada por de alguma maneira me ter ensinado a limpar o corpo e consequentemente libertar a alma.
    Beijinhos Dr.ª Lea

    ResponderEliminar
  2. É isso mesmo Sissa, que o foco esteja sempre no que REALMENTE é importante!!

    ResponderEliminar

Enviar um comentário

Mensagens populares deste blogue

Food Matters (legendado)

"Se pensa que pode ir ao médico e tomar um comprimido para tudo, está profundamente errado."
"Há cada vez mais pessoas a recorrer a alternativas, porque o que se tem feito até agora não funciona."
"Descubra o que realmente funciona!"
"É uma opção. Você não tem de ficar doente."

e quando te parece que o caminho é demasiado longo?

o que sentes, quando te parece que o caminho é demasiado longo? ou complexo?
deparo-me com esta realidade diariamente, através de conversas com amigos, colegas, pacientes... na minha vida... não sei se é uma percepção minha exacerbada ou se habita na mente dos outros de forma semelhante.
confesso que apenas sei falar do que sinto, por isso nada do que escrevo é ditado. 
talvez andemos a pensar demais e a sentir de menos, a planear demais e a realizar de menos; a ouvir demais os outros e a escutar de menos a nós próprios. 
a questão é que o caminho vai parecer sempre longo, porque nunca se vê o fim, porque não há fim. o fim não existe. estamos sempre no meio. e estar no meio por vezes inquieta-nos. não queremos estar no meio, queremos estar lá na frente, a controlar o caminho. queremos já estar lá. mas isso é contra as leis da natureza. e nós somos regidos, antes de qualquer outra coisa, por estas mesmas leis. e ela (a natureza) ajuda-nos, se respeitarmos os seus ciclos. mas não podem…